CQ? na net:

Netinho bateu na mulher, no reporter e no google. Só "apanhou" nas urnas.

O ex-candidato favorito ao senado pelo estado de SP, ilustríssimo senhor Netinho de Paula, no mínimo, cultivou o habito de bater em mulher. O novo comunista Netinho já agrediu ao menos um repórter de programa humorístico.
Um dos muitos gaiatos que perderam seu glorioso tempo criando vídeos satirizando a violência do então candidato predileto de Lula incomodou mais que os outros, razão pela qual o citado “mano comunista” (mano é como ele trata e gosta de ser tratado e comunista é por fazer parte de tal partido politico, que fique bem claro.) entrou na justiça contra o oraculo da liberdade de expressão, também conhecido como google.
O digníssimo juiz auxiliar Mario Devienne Ferraz ferrou devidamente o google por prestar tamanha liberdade de imprensa a estes reles eleitores de tiriricas. Como o google não conseguiu ou (um tanto melhor) não quis atender a ordem judicial para tirar o vídeo do ar foi multado em R$: 30 mil.
Caso o vídeo tivesse afirmado que o Netinho é um veado (o que não é fato comprovado) ou que os comunistas não devessem votar nele por que ele se negaria a dividir sua mansão com o povo (o que não se pode comprovar dado à deriva de sua candidatura) até vá lá, mas uma gaiatice aprontada por um anônimo tendo como base a trajetória do ex-cantor, ex-apresentador e futuro ex-vereador deveria ser julgada pelos usuários do serviço e só. O mais intrigante da história é que liberaram o humor e sátira para com os políticos um pouco antes da tal condenação. Acho que humor pode, o que não pode é liberdade...

Integra da noticia no site do tre-sp:

"Justiça Eleitoral multa Google por não retirar vídeo ofensivo a Netinho
O juiz auxiliar da propaganda eleitoral des. Mário Devienne Ferraz multou a Google Brasil Internet Ltda. em R$ 30 mil por não retirar vídeo ofensivo ao candidato a senador Netinho de Paula, da coligação União para Mudar. Além disso, a empresa deve arcar com multa diária de R$ 10 mil reais de 1º de outubro até o dia da eleição, totalizando R$ 30 mil, por descumprimento da liminar que exigia a retirada do vídeo.
De acordo com a sentença, o vídeo disponibilizado tem “conteúdo ofensivo, porque atribui ao candidato representante [Netinho] a prática de agressões físicas contra mulher e repórter humorístico”.
O juiz considerou que a empresa é responsável pelo conteúdo prejudicial do site que hospeda (Youtube), ainda que seja apenas provedor de hospedagem, devendo retirá-lo quando tiver ciência comprovada do ilícito.
Além disso, recente decisão do Supremo Tribunal Federal afasta, de fato, o controle prévio sobre veiculações desse tipo, mas isso “não significa, no entanto, liberdade para prosseguir veiculando propaganda ou vídeos com ofensas ou conteúdo negativo, o que diz respeito ao controle ‘a posteriori’", afirma Devienne.
Por fim, o magistrado ressalta que a internet deve continuar um espaço democrático, com menores restrições sobre conteúdos do que outros meios, “mas tal posicionamento não autoriza descompromisso dos gestores com outros valores e princípios igualmente relevantes para a ordem democrática.”
A representação foi proposta pelo candidato José de Paula Neto e coligação União para Mudar (PRB / PDT / PT / PTN / PR / PSDC / PRTB / PRP / PC do B / PT do B) contra a Google Brasil Internet Ltda., que pode recorrer ao TRE."

A Representação n.º 8005-33 em PDF

Fique por dentro: Na desciclopédia existe um artigo realmente ofensivo ao dignissimo, clique aqui e confira.

0 comentários :