CQ? na net:

Portugueses criticam aumentos salariais para politicos brasileiros em plena crise mundial.

O jornal português Correio da Manhã publicou hoje uma matéria sobre a equiparação salarial entre os três poderes brasileiros, o que na pratica significa aumentos vultosos, de até 134%, enquanto os reles mortais nada recebem de aumento e os investimentos são cortados em todo o mundo, inclusive no Brasil. Entre os comentários dos leitores criticas à esquerda e ao passado da presidente eleita Dilma Roussef.



Integra da matéria:

Políticos brasileiros vão ganhar mais

Em plena crise económica mundial, quando vários países, incluindo o Brasil, cortam verbas destinadas à Saúde, à Educação e ao investimento em infra-estruturas, o Congresso brasileiro prepara-se para aprovar aumentos milionários de ordenados para os políticos.

Por:Domingos Grilo Serrinha, correspondente Brasil


A proposta, que deverá ser aprovada até quarta-feira, último dia de trabalho pleno da actual legislatura, prevê aumentos de 61,8% nos salários de deputados e senadores, 130% nos salários dos ministros e 134% nos ordenados do presidente e do vice-presidente.
A justificação para aumentos tão generosos é equiparar os ordenados dos três poderes: legislativo, executivo e judiciário. Se a proposta for aprovada, e tudo indica que o seja, tanto os deputados, que hoje têm um ordenado-base de 7400 euros, quanto os ministros, que hoje recebem 4700 euros, o presidente e o vice, que auferem actualmente 5 mil euros, passarão a receber o mesmo que um juiz do Supremo Tribunal Federal – 11 800 euros, o valor máximo que a lei permite a um funcionário público receber.
O aumento, note-se, diz apenas respeito ao salário-base. No caso dos deputados, por exemplo, recebem ainda vários extras, como verbas para a contratação de funcionários e para outras despesas em Brasília, que podem quintuplicar o valor do ordenado-base.
Além do previsível choque para a opinião pública num momento em que a esmagadora maioria dos trabalhadores ou não vai ter aumento ou vai receber até mais cinco por cento, o aumento dos políticos promete abrir uma crise institucional.
O sector judicial, que ficou de fora da proposta por ser o mais bem pago, já avisou que não aceita não ter qualquer reajustamento salarial e ameaçou com uma greve no início do mandato de Dilma Rousseff.

Confira aqui o original

1 comentários :

meundo disse...

Crise, aonde, aumento salarial, imagina, é só uma gorjetinha para os coitadinhos, quase não ganham nada, é sempre bom incentivar nossos políticos!