Header Ads

Higienópolis: Assaltam, matam e debocham.



É o que acontece com quem reage", disse o ladrão após matar com dois tiros na nuca a estudante Caroline Silva Lee, 15, em Higienópolis, na madrugada de ontem.

Os bandidos debochados em foto do portal R7.com
A jovem foi morta na frente do namorado segundos após eles serem abordados por ladrões quando caminhavam na volta de uma festa. Os três criminosos fugiram num Fiat Idea roubado pelo bando na semana anterior.
O trio foi preso cerca de dez minutos após o crime, durante troca de tiros com policiais militares na avenida 23 de Maio. Com eles estavam os celulares do casal e a máquina fotográfica da vítima.
"Ela não reagiu", disse à polícia o namorado de Caroline, um auxiliar de serviços de 24 anos, em depoimento à polícia. Com medo, ele pede para não ser identificado.
O relato contradiz o depoimento de Marcus Vinícius Correa Gomes, 19, que afirma ter atirado na jovem com um revólver calibre 38, após ela reagir. Ele agiu com os comparsas Alex Rodrigues Venâncio, 18, e Claudinei Avelino Modesto, 18 --todos com passagens pela Fundação Casa por tráfico, roubo e furto, respectivamente.
Segundo a polícia, Gomes riu na delegacia ao falar do crime. Os dois comparsas também debocharam da vítima, segundo a delegada Leslie Caram Petrus. A Folha não localizou os advogados deles.
De acordo com a testemunha, Gomes e Venâncio os abordaram quando o casal caminhava em direção à academia do rapaz, em Santa Cecília. Eles exigiram as mochilas dos dois, que foram entregues. O namorado disse ainda que, sem motivo, Gomes deu dois tiros e fugiu com Venâncio. A polícia suspeita que ambos se encontraram com o terceiro ladrão, Modesto, que estava no Idea.
Acionados, PMs iniciaram buscas e localizaram o carro na rua da Consolação. Uma perseguição teve início e, já na 23 de Maio, o Idea bateu em outro carro e parou.
O trio desceu e Gomes atirou contra PMs, que revidaram. Depois, se entregaram.
Na delegacia, confessaram ter roubado o Idea domingo retrasado, após renderem um pastor adventista e sua família, no Brooklin. Roubaram laptops, celulares, R$ 50 e fugiram no Idea. "Um deles dizia: 'Deus, o que estou fazendo?'", disse o pastor à Folha.
Os ladrões disseram que, de um domingo a outro, fizeram vários assaltos.
O namorado reconheceu os dois celulares, a máquina fotográfica e o MP5 que estavam na bolsa de Caroline.
"Ela gostava de música -raspou a lateral do cabelo para ter um estilo 'rock n'roll'", disse a mãe Maria. Fazia aulas de acupuntura para seguir o ofício do pai, coreano, morto em 2005, de câncer.

Com informações da Folha de São Paulo de do Portal R7.com

Um comentário

Anônimo disse...

E viva o Brasil. A pena de morte sempre existiu no Brasil. Ela sõ não pode ser aplicada contra ladrões do naipe de Jader Barbalho, Juiz NIcolau dos Santos Neto e outros, até porque se tal acontecesse o judiciário e o sistema político brasileiro ficariam às moscas. Porém a população sequencialmente dizimada sofre com a pena de morte perpetrada pelos marginais das ruas, já que os marginais dos gabinetes são espertalhões o suficiente para pousarem de "defensores dos direitos humanos". Viva o Brasil.

Tecnologia do Blogger.