CQ? na net:

Relaxe, nada está sob controle.

Pessoas instruídas e inteligentes muitas vezes gostam de manter o controle sob todos os aspectos de suas vidas.
Geralmente isto é bem tranquilo quando tudo ocorre dentro do script. Matamos um leãozinho aqui, outro acolá e vamos controlando tudo até que de repente surge algo que não sabemos lidar, algo que não era para acontecer mas acabou fugindo dos controles todos e acontecendo. Não que matar leões diariamente seja tarefa fácil, só que leões, por mais ferozes que sejam, são bichos cuja existência é conhecida e como tal podemos esquadrinhar as dificuldades e buscar meios e ferramentas para enfrenta-los. O bicho começa a pegar quando, num belo dia de caça, saímos com todos os equipamentos para caçar mais um terrível leão e nos deparamos com um dinossauro ou um dragão. Certeza que este bicho não existia ou pelo menos não deveria! E todos os potentes equipamentos de caça nada podem contra eles! E agora mané?
 
A medida que vamos vivendo vamos esquadrinhando os problemas cotidianos e nos armando para vence-los mas, quando algo que não parecia ser uma ameaça nos confronta percebemos que nós nunca fomos os autores do script; apenas escrevíamos o roteiro com base nas experiências vividas até então e pior que isto, que a vida pode ser pautada pelo imponderável e não há arma que seja eficiente contra isto.
 
Vamos imaginar aquela pessoa que foi passar por um exame de rotina e descobriu uma doença que lhe alçou de súbito para a condição de doente terminal. Para simplificar as cousas aplicamos o modelo de Elisabeth Kübler-Ross  que propõe cinco estágios pelos quais tal pessoa passaria após o choque:
Os estágios são:
  1. Negação: "Isso não pode estar acontecendo."
  2. Raiva: "Por que eu? Não é justo."
  3. Negociação: "Me deixe viver apenas até meus filhos crescerem."
  4. Depressão: "Estou tão triste. Por que me preocupar com qualquer coisa?"
  5. Aceitação: "Tudo vai acabar bem."
 
Ocorre que as coisas não fogem do controle somente quando se descobre a beira da morte: São infinitas as possibilidades de se descobrir sem chão (nem todas negativas, diga-se), onde após pesar todas as ações possíveis se percebe que qualquer que seja a alternativa escolhida o estrago causado será monumental em nós ou nos que nos cercam. E então?
 
O modelo se aplica a qualquer área da sua vida, devidamente adaptado. Quando ocorrer algo maior que você, você passará pelo modelo, ainda que não seja nesta ordem, no final você vai ver que tudo sempre acabará bem ou pelo menos acabará como deveria ser, segundo o verdadeiro autor do script (deus, destino ou o nome que você achar que deve dar).
 
Sendo assim quando se deparar com uma situação que não possa lidar simplesmente relaxe, você acaba de descobrir que nada, nunca esteve sob seu controle!



1 comentários :

Anônimo disse...

Os comentários foram liberados. Que bom! Isto de ter que logar no g+ não é legal. Deixa assim