CQ? na net:

Sobre Deus, você e os contadores de história!

A bíblia é um livro controverso que desperta paixões por onde entra na pauta. É inegável que boa parte dela foi escrita com finalidade exclusiva de interpretar o sagrado aos olhos humanos, como é inegável que recebeu intervenções ao longo do tempo, algumas nem tão sagradas assim e apresenta "omissões" históricas. 

Ocorre que isto, ao invés de afastar o livro sagrado da ciência faz é deixá-lo bem próximo dos livros de história.

Os detratores alegam que a bíblia não cita os dinossauros e trata morcego como se fosse ave. Igualzinho os livros de história fazem com alguns personagens. Na historia brasileira temos algumas particularidades bem mais pitorescas. O herói nacional Joaquim Jose da Silva Xavier, famoso Tiradentes, foi fabricado junto com a republica. E só passou aos livros de história por intermédio dos maçons que tinham grande influencia politica e já cultuavam o personagem. Ele foi inventado por que uma pátria precisa de um herói próprio e o Brasil, até então, não contava com nenhum.

A história da abolição da escravatura também foi tratada "como se ave fosse" pelos historiadores tupiniquins. Quem libertou os escravos foi uma conjunção geopolítica e econômica internacional que forçou o Brasil a abandonar a prática e aliás, a escravidão em si é floreada pelos livros. Os europeus não inventaram a escravidão, eles simplesmente compravam escravos africanos e traziam para os mercados americanos, o que na verdade era uma "sorte" na maioria das vezes, por que os que não atravessavam o atlântico ficavam como escravos no continente africano em condições bem mais insólitas e desumanas.

Se você perguntar para um americano qual o grande invento de Alberto Santos Dumont ele provavelmente vai te perguntar quem é o tal e se for assim muito versado em historia deve lhe apontar o relógio de pulso (sim, este também é um invento do nosso "pai da aviação"). Para os EUA e boa parte do mundo, os inventores do avião são os irmãos Wright!

O que pouca gente faz alarde é sobre a convergência da bíblia com a ciência. E isto sim é assombroso! A bíblia foi escrita sem qualquer tecnologia cientifica e ainda assim consegue feitos que ultrapassam a simples lógica das coisas. Pode até ser coincidência o fato de a bíblia apontar a criação do mundo em conformidade cientifica: "a terra era sem forma e vazia (pangeia), Deus criou os vegetais, os animais e por fim o homem (como a teoria da evolução aponta) mas o que dizer de um evento apoteótico, descrito há milhares de anos, respeitar as requintadas e modernas leis da física?

"A história bíblica da divisão do Mar Vermelho, registrada no livro do Êxodo, pode ter acontecido de verdade. Ou, pelo menos, poderia ter acontecido sem quebrar nenhuma lei da Física. "

Então sobram nossas convicções pessoais e a influência do meio em que vivemos. Quem vive num meio cientifico e questionador vai arraigar em si o afastamento  da religião e quem se influenciou por uma criação religiosa vai se aproximar da teoria teológica. Ou vai transitar de um espectro a outro sem ter muita certeza de nada por meio apenas das teorias dominantes em cada meio.

Existem algo em torno de 16 mil religiões conhecidas no mundo e em boa medida a influência humana é que rege o sagrado, igualzinho os ramos científicos onde a influência dos lideres escrevem a história e apontam o futuro de acordo com suas convicções pessoais. 

Existe um grupo de estudos muito sério que se debruça sobre Jesus, escaneando o que o homem de Nazaré certamente disse, o que provavelmente disse ou não e o que certamente não disse. 

Analisando os aspectos relevantes da existência humana não chegamos sempre a consensos. Não é absurdo afirmar que existem ligações entre pessoas (e não precisa ser somente o amor romântico) que transcendem o cientificamente explicável, ainda que existam teorias cientificas com esta finalidade. Certas relações humanas não cabem em todo o conhecimento acumulado e desafiam toda a lógica e ciência e fé.
Um bom e conhecido resumo do cristianismo é o que encontra-se em I Corintios 13 que aponta o amor como a instância suprema da vida e da salvação. É uma boa pista esta, sobre quem é e onde está Deus!
Por mais intervenções humanas que existam na história e nas previsões do futuro, Deus pode ser apenas o amor e a partir daí ser interpretado por quantos e como queiram e sua existência aceita em conformidade com o que pensam os que pretendem-se interlocutores do divino e do sagrado, seja de boa ou de má fé. 
Você pode professar fé religiosa ou ateísmo e isto não vai provar a existência ou inexistência de Deus. O que se pode refutar ou questionar são as teorias apresentadas por ambos os lados por que homens são imperfeitos. A única coisa perfeita em todo o universo é o amor e aí se Deus é perfeito... 
Não se importe com o que as pessoas e os livros afirmam. Você sente com o seu coração? Então Deus existe e melhor ainda: Ele fala diretamente com você!

1 comentários :

Os Hebreus (Por Saulo de Tarso) disse...

A teologia hebraica parte da premissa de que tudo é centrado no homem mas tem uma característica que a distingue de outras teorias semelhantes.

Nela o tudo não fica restrita ao homem, mas transcende a todo o plano material e vai influenciar o modo como conhecemos o mundo.

Quando o Deus dos hebreus coloca o homem na Terra lhe submete todas as coisas e o faz guardião e mestre de tudo o que há, das coisas animadas e das inanimadas, mas sempre segundo a orientação daquele que sabe todas as coisas e a tudo rege com um amor superior.

Então o homem abre mão deste privilégio de ser regido por este Deus amoroso e passa a assumir sozinho o direito e o dever de reger a terra e tudo o que nela há.

O resultado é imediato e o Deus avisa ao homem que daquele momento em diante a terra é maldita por causa daquela decisão.

Sem o conhecimento exato sobre o porque da existência de todas as coisas o homem passa a julgar tendo a si mesmo como parâmetro e impõe esta visão deturpada a tudo o que toca.

Os animais passam a evitar o contato com o homem e a natureza torna-se inimiga do homem na medida em que ele tenta dominá-la pelas motivações alegadamente erradas.

Mesmo nas relações do homem consigo mesmo a característica egocêntrica adotada no momento em que rejeitou o amor divino vai ser a razão de todos os males do mundo.

Enfim, tudo gira em torno da falta de amor no homem, amor ao próximo, ao Deus que o criou e, por consequência, a tudo o que o Deus havia lhe dado.