Header Ads

Sem dinheiro governo federal retira 6 mil radares em estradas de 8 estados.

"Se colocarem o governo federal para administrar
 o deserto do Saara, em 5 anos faltará areia" 
Milton Friedman.

Na cidade de São Paulo o povo está aflito com a multiplicação dos radares e regras novas de transito que geram autuações; já vi por aí adesivos com os dizeres "Visite minha cidade e ganhe uma multa". A industria da multa é tão controversa que até já foi objeto de atuação do ministério público. O certo é que multar dá dinheiro, e muito. Não é atoa que a grande maioria das cidades e estados investem pesado em meios eletrônicos de fiscalizar os motoristas. O estado do Rio de Janeiro é um bom exemplo. Lá os serviços públicos estão aos trancos e barrancos mas os radares funcionam que é uma beleza.

Pode correr que tá tudo liberado!
Pois bem, por um mix de trapalhadas e má gestão o governo federal acaba de abrir mão da receita gerada pelas infrações de trânsito nas estradas cedidas a iniciativa privada nos estados do Espirito Santo, Goias, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Tocantins e no Distrito Federal.

A lei que trata das concessões manda as empresas concessionarias arcar com a manutenção de todos os serviços ligados as vias sob sua responsabilidade. Seria natural prever que estas empresas deveriam arcar com os equipamentos eletrônicos de vigilância e radares mas, como no Brasil nada é como deveria ser a mesma lei não dá poderes a estas empresas para autuarem os motoristas infratores. Como nada é tão ruim que não possa piorar o governo cortou verbas da ANTT (Agencia Nacional de Transportes Terrestres), que herdou a conta e agora não tem mais como pagar as empresas contratadas.

Desta forma, como quem amputa a perna para curar dor no pé, já que o dinheiro que deixará de entrar fará falta muito maior nos cofres da ANTT, refletindo nos serviços prestados pela agencia, o governo te livra da industria da multa nestas estradas mas, deixa livre os irresponsáveis que abusam da velocidade e colocam vidas em risco, simples assim.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.