Header Ads

O transito no Grajaú será noticia em breve: Quando virar uma tragédia!


O bairro do Grajaú, no extremo sul da capital paulista é um caso emblemático de descaso do poder público. A região do Grajaú, dividida em pequenos bairros ao redor da avenida principal, abriga mais de meio milhão de pessoas.

O bairro fica numa região de proteção aos mananciais. Deveria receber investimento e atenção redobrados do poder publico, mas a intrincada legislação ambiental serve como o pretexto perfeito para o abandono.

O bairro nasceu como um bairro dormitório. Nos anos 60 e 70 era uma região predominantemente rural distante do centro quando foi agraciado com a construção de um conjunto habitacional da Cohab. A partir de então a região tem crescido e se desenvolvido por conta própria e a passos largos.

A avenida Dona Belmira Marim é a principal via de acesso ao Grajaú. Devido ao grande numero de veículos -e a falta de investimento na região -chegar ou sair do bairro pela avenida Belmira Marim é quase sempre um transtorno.


Sem investimento e fiscalização, o entorno da represa Billings se tornou - primeiro uma enorme favela e depois - uma cidade e quando os órgãos públicos atentaram para o fato já era tarde. Não encontraram meio de remover milhares de família e a infra-estrutura básica foi feita como deu.

Com a estabilidade econômica duradoura, os setores de comercio e serviços descobriram a região. Primeiro vieram os supermercados e no rastro destes desde escolas de idiomas a ampla rede bancaria.

As condições de moradia melhoraram e a renda crescente da população trouxe outras “conquistas” para o bairro. O bairro violento e pobre dos anos oitenta se transformou num microcosmo social com economia e vida próprias. Mais da metade da população tem acesso a Internet e automóvel e o próprio bairro oferece emprego formal aos milhares.

Como não recebeu investimento publico de acordo com a demanda praticamente todos os serviços públicos são insuficientes. Um pronto socorro e um hospital geral atendem toda a população em casos de emergência; é simplesmente muito pouco. Alguns alunos precisam ser transportados em ônibus fretados para além dos “dois quilômetros” previstos pelo governo como distancia razoável entre a casa e a escola e o transporte publico está estagnado.

Todas as segundas e sextas-feiras um curioso evento noturno vem se tornando tradição: A procissão dos moradores desde o terminal Grajaú de ônibus ao longo da Avenida Dona Belmira Marim. O transito simplesmente para nos dois sentidos e quem precisa chegar em casa depois do trabalho precisa caminhar quilômetros. São milhares de pessoas praticando uma caminhada noturna e involuntária após o cansaço durante o dia.

Nos outros dias da semana, se a avenida não trava, o transporte publico feito principalmente por meio de microônibus é lotado e caótico. É um curioso paradoxo: A principal artéria do transito não comporta mais veículos grandes (na verdade nem pequenos) e os que circulam não são suficientes para transportar todos os passageiros na hora do rush.

Na ultima semana de maio, os moradores indignados e cansados programaram um protesto e aí (bingo!) o poder publico apareceu. A tropa de choque e a CET “invadiram” a avenida, reprimiram o protesto, fecharam os acessos à avenida (usados como rota alternativa) e com a “orientação” dos agentes públicos neste dia o transito fluiu um pouco melhor. Mas 200 agentes públicos numa única via todos os dias custa caro, então eles foram embora e aí o caos voltou a reinar.

Não se surpreenda caso nos próximos dias a tv noticie um protesto violento, daquele tipo que colocam até fogo em ônibus. O povo está se sentindo sem alternativas e é difícil segurar um barril de pólvora prestes a explodir. O ir e vir é o mais básico dos direitos humanos e quando até ele está prejudicado é por que o povo está só. Isto é um perigo.

Nem é tão caro ou difícil resolver os “gargalos” da tal avenida, mas é na borda mais longínqua da cidade e a visibilidade é pouca. Subúrbio só dá ibope quando uma desgraça acontece.
BlogBlogs.Com.Br

2 comentários

Anônimo disse...

Excelente este texto, diz em poucas palavras o caos que existe na região do Grajaú, esquecido pelos governantes. O trânsito na av. Dona Belmira Marin é como em Bangladesh, sem leis, sem ordem, onde quem sofre diariamente são os moradores da região, que pagam seus impostos e não recebem nada em troca. É triste ver o descaso do Poder Público frente à questões da periferia...

alex filho disse...

amei a historia complementando o caso a prefeitura esta jogando dinheiro fora fazendo disfarces na propria avenida inves de fazer um caminho alternativo eles estão quebrando e reqebrando a Belmira marim atraz da praça proximo ao circo escola existe um corrego que nem se quer foi terminado os caras podera terminar ele ao inves de jogar tanto dinheiro fora

Tecnologia do Blogger.