Select Menu

Brasil

Lorem 1

Technology

Circle Gallery

Shooting

Racing

News

Lorem 4

» » » Chuva mata aposentada em S. Paulo - A culpa é sua!

Desde que o mundo é mundo a chuva ceifa vidas. O primeiro relato de uma inundação que arrasou vidas e propriedades data do velho testamento. Noé escapou por ter sido diligente e prevenido. Não dá para atestar a veracidade da história, mas dá para tirar um bocado de lições dela.

Todos os anos a população brasileira encolhe em alguns milhares de pessoas exclusivamente por conta da chuva, ainda ontem, uma aposentada morreu ao ser surpreendida pela enxurrada enquanto voltada do trabalho, na região metropolitana de S.Paulo. O carro que dirigia foi arrastado por 300 metros e a senhora de 72 anos não resistiu, muito embora os bombeiros tenham chegado rápido e feito o possível para tentar reanima-la. Seu colega de viagem, um rapaz de 23 anos, conseguiu escapar nadando. Talvez o DETRAN exiga natação para os próximos candidatos a tirar a carteira de habilitação.


Nos dias atuais as mortes causadas pela chuva são creditadas ao aquecimento global. É um tanto intrigante, já que na Austrália as enchentes fizeram tubarões aparecerem a mais de dois quilômetros da praia e o numero de mortes humanas ficou muito próximo de zero. Eu desconfio que este tal aquecimento global seja um artificio usado para socializar a culpa que na verdade pertence a quem deveria ter feito mais no passar dos anos e ficou inerte. O aquecimento global torna você um cumplice dos governos que usaram em propaganda, ou em outros meios mais duvidosos, a verba que deveria prevenir, combater e minimizar a potencia dos estragos que a chuva causa.

Sobre Cidadão Quem?

Como você pode perceber, o autor é só um anonimo preto, pobre, burro, feio e velho. Se alguém lhe comentasse sobre o cidadão, certamente você perguntaria, quase exclamando: -Quem? Ainda assim você pode lhe enviar uma mensagem através do email samueloliveira@email.com, caso ache realmente que isto vale a pena!.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário